Texto escrito por: Profª Erika Tiemi Taniguti

Consumir peças de roupas com a tentativa de estar “in” ou conectado às tendências é um comportamento praticado pela maioria das pessoas., este comportamento consumista no âmbito da moda foi planejado pelo mercado, mais especificamente, pela indústria do fast fashion. O fast fashion é fenômeno recente da moda em que produtos baratos e de baixa qualidade são fabricados, consumidos e descartados rapidamente.

O problema é que uma produção barata e rápida dificilmente consegue também ser ética, e assim o fast fashion se expande a cada ano: explorando mão de obra de países não desenvolvidos, muitas vezes impondo jornadas de trabalho excessivas e até mesmo trabalho infantil, utilizando químicos pesados ao longo do processo de produção e gerando uma quantidade enorme de resíduos ao longo de toda a cadeia, provocando impactos socioambientais dentre os quais podemos citar:

  • Devido à sua grande produção, as emissões de carbono chegam a ser 400% maiores
  • Para se criar 1 quilo de algodão, são necessários cerca de 30.000 litros de água! E 1 camisa de algodão usa aproximadamente 2.700 litros de água!
  • A utilização de defensivos agrícolas para o cultivo de algodão, responde por 24% de todo o consumo de inseticidas e 11% dos pesticidas utilizados na agricultura mundial. O algodão é também aquele que consome maior quantidade de energia em seu processo produtivo;
  • Na produção do denim, um tecido de algodão base do jeans, que consome durante o processo grandes quantidades de água, energia e corantes a base de produtos químicos altamente prejudiciais à saúde e ao meio ambiente;
  • a produção de poliéster causa diversos danos ambientais, uma vez que também são emitidos compostos orgânicos voláteis (VOC) e efluentes contendo antimônio.
  • Segundo a pesquisa The Global Slavery Index 2018, da fundação Walk Free, divulgada recentemente, a moda é a segunda categoria de exportação que mais explora o trabalho forçado, as vítimas trabalham em condições precárias e recebem valores indevidos;

Diante do cenário da fast fashion, e apesar de sermos programados, cada vez mais cedo, a associar felicidade ao consumo. A indústria da moda conhece a nossa fragilidade e nossos anseios, e a fast fashion vem para atender um anseio social que preza pela atualização constante em modelito. Temos que nos conscientizar, que não sabemos sobre o que foi preciso para que essas peças fossem produzidas e distribuídas em inúmeras lojas e na maior parte do mundo, e que por trás da produção em larga escala existe muita exploração de recursos humanos e naturais, que é pouco debatida e divulgada.

Devemos nos informar sobre o que as etiquetas não revelam, pesquisar sobre a indústria, sobre o processo de produção até a comercialização.

Para quem quiser se aprofundar no assunto, sugiro:

  • O documentário canadense RiverBlue, que mostra como a produção de bilhões de peças jeans anualmente polui rios, lagos, mares e reservatórios devido ao tingimento de tecidos,
  • O documentário “The True Cost” que trata exatamente do custo real da moda por um lado que dificilmente é mostrado