Escrito por: Profª Andreia Dantas de Paula

Muitas vezes ao retornar do colégio a criança é abordada com a pergunta clássica: “O que você aprendeu na escola hoje?” Normalmente a resposta é objetiva, dentre alguns comentários surge à frase: “Eu só brinquei”.Frustrados com a resposta, alguns pais não imaginam a dimensão desse brincar.

Na rotina escolar, o cantar e brincar tem significados e propósito pedagógico que nossos alunos não tem maturidade para compreender, o que traduz na simples frase “Eu só brinquei”.

Segundo Dallabona: “Brincando o sujeito aumenta sua independência, estimula sua sensibilidade visual e auditiva, valoriza sua cultura popular, desenvolve habilidades motoras, exercita sua imaginação, sua criatividade, socializa-se, interage, reequilibra-se, recicla suas emoções, sua necessidade de conhecer e reinventar e, assim, constrói seus conhecimentos.”

Nos estudos da Neurociência sobre o lúdico na aprendizagem, aprendemos que em ambiente adequado, além de aumentar conexões entre as células cerebrais, o brincar promove uma assimilação mais duradoura das informações.

Segundo Luckesi (1994), a atividade lúdica ajuda a desenvolver a capacidade criativa da criança atuando como atividade orgânica e ao mesmo tempo prazerosa para a criança, já que a brincadeira proporciona uma melhor qualidade de vida escolar.