Texto escrito por: Profª Camila Odoni

A janela de oportunidade para aprender uma língua sem esforço e sem sotaque é bem curta e depende bastante do quanto a gente se expõe a uma outra língua. Quem aprende uma segunda língua na idade adulta tem boas chances de desenvolver sotaque, além de ter mais dificuldade de ganhar vocabulário e compreender nativos falando, isso porque a maneira como adquirimos uma segunda língua muda conforme envelhecemos. Existem 2 teorias principais para explicar essa dificuldade:

A primeira é bem simples, com o tempo nossos neurônios envelhecem e perdem a capacidade de fazer novas conexões.

A segunda teoria acredita que a dificuldade é causada porque a forma como aprendemos muda, quando aprendemos outra língua após a idade adulta todo o conhecimento é construído em cima da estrutura da língua materna, e acabamos utilizando muito mais a memória explícita, ou seja, decoramos as palavras. Enquanto que crianças aprendem uma língua usando a memória procedural, que fixa a estrutura de funcionamento da língua.

A aquisição de uma língua estrangeira depende primordialmente de 3 áreas de processamento cognitivo que precisam acontecer simultaneamente para a gente conseguir falar:

1° Processamento fonológico: Aprender a pronunciar e ouvir palavras.
2° Processamento lexical: processar o significado das palavras.
3° Processamento de sentenças: compreender o sentido das frases.

Quando estes processos falham nosso cérebro adapta o que ouviu para sons mais próximos da nossa língua. Quem nunca confundiu ao ouvir Whisky a gogo do Roupa Nova: Eu perguntava do you wanna dance? Com: Eu perguntava tu e o holandês, que atire a primeira pedra!

Por isso o 1° passo para adquirir uma nova língua é: se expor bastante a ela! Ouvir vários fonemas para acostumar o cérebro aos novos sons, assistir séries, ouvir músicas e conversar com nativos sempre que possível. O próximo passo é ganhar o processamento lexical – o que envolve aprender novas palavras com novos significados, e neste caso a exposição constante ajuda no processo mnemônico do léxico.

Por último precisamos falar a outra língua para ganhar o processamento de sentenças, mesmo que a pessoa tenha a pronúncia perfeita e um super vocabulário, estruturas sintaticamente erradas, como dizer “make a party” – o inglês utiliza o verbo have, “have a party” para dizer fazer/ dar uma festa – acabam se tornando marcantes para quem ouve e conhece a língua.

A única forma de verdadeiramente aprender é praticando!